quinta-feira, 23 de junho de 2016

Por que é comum ouvir dizer que uma criança tem TDAH?

"Algo que temos em comum com a cultura americana é a explosão da utilização dos eletrônicos como smartphones..."

Muito se fala atualmente sobre Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH); virou o diagnóstico da vez para as crianças. Problemas de comportamento, notas baixas na escola e outras dificuldades de modo geral são muitas vezes atribuídas a isso.

O que pode estar por trás dessa atribuição em massa para esse diagnóstico?


Primeiramente vejo que quando há algum "problema do momento" como por exemplo, a dengue, toda diarreia e dores no corpo já são percebidos com um olhar parcial e enviesado influenciados pela frequência dessa ocorrência no meio em que a pessoa vive.

O mesmo ocorre com os transtornos psíquicos mas, com o grande diferencial de que, para "fechar o diagnóstico", não há exames laboratórios e sim, clínicos, ou seja, se observa os sinais e sintomas (o que é visto por todos e só o que a própria pessoa percebe) e, como base nisso, (e no histórico familiar), se estima que a pessoa tenha "X" ou "Y". Por isso tantas vezes é muito difícil para o psiquiatra "bater o martelo" e dizer que a pessoa tem tal transtorno.

No entanto, quando há algum transtorno da moda, não é incomum esse rótulo ser atribuído com menos critério, fazendo com isso que muitas pessoas com questões semelhantes mas, não as mesmas, sejam percebidas e, principalmente tratadas do mesmo modo. Aí há um risco muito grande, pois, já atendi pessoas que, independente de se adequar perfeitamente ou não a um diagnóstico (ou seja, apresentarem todos os critérios necessários para se enquadrar naquele diagnóstico), viveram sob um estereótipo e passaram a se relacionar consigo mesmas e com o mundo através dele. Isso pode diminuir as chances da pessoa construir relações saudáveis, desenvolver comportamentos eficazes e, ser mais plena no seu dia a dia, pois isso a limita a essa "caixinha" e ela acredita que só pode viver desse modo.

Diagnósticos: genética X ambiente 

Uma das questões muito presentes quando se fala em diagnósticos, é levar em conta predisposições (ou seja, fatores hereditários) e os fatores oferecidos pelo ambiente. Com relação a esse último, leva-se em conta doenças ou eventos pontuais e situacionais e, posteriormente, a criação ou educação. Exemplificando: uma pessoa pode provir de uma família onde não haja nenhuma outra pessoa surda (ou seja, nenhum fator genérico conhecido que a predisponha a surdez) mas, contrair meningite quando bebê e desenvolver por conta disso algum grau de surdez. Após esse evento, seus pais mesmo sabendo do diagnóstico; continuarem se comunicando com ela falando... e a colocarem em uma escola de ouvintes. A maneira como essa pessoa lidará com seu diagnóstico e se desenvolverá será completamente diferente de outra pessoa em que após o mesmo evento, passe a ser pouco estimulada e nem seja matriculada em alguma escola (por ignorância dos pais). Esses dois exemplos extremos demonstram o quanto em muitas situações o ambiente dita muito mais as regras do que fatores hereditários.

Quando se trata de transtornos psíquicos isso com certeza é uma grande verdade. Percebe-se que na maioria dos casos, a criação tem muito mais responsabilidade pela saúde mental e emocional das pessoas do que fatores genéticos ou até eventos situacionais (pontuais).
E o que isso tem a ver com TDAH?

Isso tem tudo a ver com TDAH, pois esse é um diagnóstico contemporâneo, construído através de hábitos que temos atualmente.

Recentemente li um estudo comparativo entre crianças francesas e americanas dizendo que nessas primeiras há pouquíssima incidência de TDAH e no segundo grupo alta incidência. Nesse estudo aponta-se a diferença de educação entre as duas culturas como um dos principais fatores desse resultado.

Algo que temos em comum com a cultura americana é a explosão da utilização dos eletrônicos como smartphones e tablets, inclusive sendo utilizados já por crianças desde muito pequenas. Bebês e crianças são expostas a estímulos que mexem, piscam, apitam, rodopiam e mexem-se muito rapidamente fazendo com que seus olhos movam-se muito rapidamente e seu cérebro responda a eles em ritmo acelerado. Alguns pais, avós e cuidadores apresentam vídeos, joguinhos semelhantes para bebês ainda muito pequenos como forma de distraí-los e, isso aos poucos vai se tornando rotina, até o momento em que os próprios bebês/crianças requisitam os celulares e tablets para brincarem por si sós.

Sendo hiperestimulados desde muito novos com conteúdos que mudam rapidamente, acabam tendo mais dificuldade em se concentrarem em uma coisa "parada" (como por exemplo um livro) por algum tempo. Fora isso, crianças saudáveis tem mesmo muita energia, mas se não aprendem a correr e brincar como maneira de utilizar seu excesso de energia, podem acabar ficando inquietadas e irritadiças. Isso unido ao vício desenvolvido pelos eletrônicos pode resultar no que vemos hoje muitas vezes: um adolescente que vai mal na escola, tem problemas de comportamento e não sai do celular, do videogame ou do computador.

Assim, compreende-se por que o TDAH parece ser muito mais um transtorno, construído e frio, do meio, do que algo inato à criança?



Leia este texto também em Via Estelar.


Nenhum comentário:

Postar um comentário